terça-feira, 13 de março de 2012

PoRRRque os RRR são foRRRtes nas músicas antigas ?

PoRRRRque os RRRRR são puxados e fortes nas músicas antigas ?
-
Isso vem láaaaaa de 1938. É uma Norma Técnica.
-
Durante os anos 20 e 30, foram implantadas as primeiras Faculdades de Letras no Brasil. E é obvio, começaram aparecer problemas, devido à grande varaição de pronuncia de região pra região. 
-
Lembremos ainda, que a influencia do sotaque português era muito mais forte nessa época do que hj
-
Pois bem. Os academicos da área de Linguística começaram a tentar encontrar um padrão de pronuncia
-
Lembremos ainda que em 1937, Getúlio Vargas tornou o Canto Orfeônico matéria obrigatória em todas as escolas, num projeto comandado por Villa Lobos
-
Então, depois de muitos debates e estudos, em 1938 entraram em vigor nas escolas de todos os níveis, as "Normas de boa pronúncia da lingua nacional para o canto erudito"
-
Obviamente, teve tb o mesmo documento para Teatro, Estudo de Fonética etc.
-
Lembremos ainda que Getúlio Vargas governava sob estado de Sítio. O Estado Novo era uma Ditadura, e numa Ditadura, o Poder Central é forte e rigorosamente obedecido
-
Assim sendo, a partir de 1938, todos os niveis educacionais adotaram essas normas.
-
Basta vc procurar no You Tube qualquer reportagem do reporter Esso ou da Rádio Nacional da época, ou qualquer discurso de algum lider político, e vc verá que essa coisa de forçar o R era o padrão erudito.
-
E não se resumia só aos RRRR. Haviam várias outras coisas, como MaLLL, ou a letra D e T falada na ponta da língua. Pra TTTi, DDDe mim
-
Qualquer palestra do Pr Roberto Rabelo tem essas mesmas características
-
Leve-se em conta ainda, que os Sulistas puxam o R naturalmente,  e nessa fase da IASD, pastores e professores sulistas eram maioria esmagadora. O proprio Getulio Vargas, presidente da República, popularíssimo, era gaúcho e puxava o RRR pra valer
-
O R caipira, típico do centro-sul de MG, Triangulo Mineiro, interior de SP, e GO era francamente abominado nos meios academicos.
-
E como a IASD não está livre das influencias culturaais, e o RRRR puxado era sinal de erudição, de boa educação, a Voz da Profecia e os Arautos do Rei, adotaram a norma tb.
-
Isso só começou a ser questionado musicalmente, pela Bossa Nova, pela Jovem Guarda, pelo Rock Nacional, pelas novelas mais urbanas.

 -
A IASD demorou horrores pra perceber isso. A coisa só começou a mudar com o surgimento dos grupos mistos nos anos 80 (Renascer, Integração, Prisma).
-
É uma mudança incrível, pq simplesmente as MULHERES de RJ, MG, ES se recusavam terminantemente a cantar assim, seja nos grupos mais famosos, seja nos grupos mais simples das menores igrejas.
-
Não satisfeitas em não puxar o RRR rsrsrs ainda debochavam de quem puxava.
-
Eu considero que uma das razões do declinio de popularidade dos quartetos no inicio dos anos 80, foi exatamente a insistência em não ver que a Lingua, assim como a Música, é VIVA.
-
Eram outros tempos, outro espirito.
-
Pega o álbum "Deus quer alguem" dos Arautos ( já falei dele aqui ) e vc vai ver o seguinte : 2 componentes forçam o R. O Baritono força acintosamente. Os tenores não forçam tanto, e qdo forçam, não soa natural rsrsrs
-
Hj esse R é mais democratico. cantores sulistas puxam, nordestinos nao puxam, e por ai vai. Nao se pega mais no pé por isso.

-
Quem é da área de Fonética e Linguística, se quiser aprofundar a questão, é só ir à Universidade Federal mais proxima, e pegar lá as "Normas de boa pronúncia da lingua nacional para o canto erudito"
-
Uma boa intenção, que cumpriu seu papel, passou, e perdeu a razão de ser
-
Hj buscamos um Brasil INTEGRADO, onde o Sul não TEM QUE prevalecer sobre Norte e Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário